Miradouro das Rocas – Serra do Gerês

Entre a Cascata do Arado e o Miradouro da Pedra Bela, existe o Miradouro das Rocas, onde tens visão magnífica dos últimos kms do percurso da segunda etapa do VCPGE 2017. Nesta imagem a 360º dá para ter ideia da imponência da paisagem deste território magnífico.

Nota: Na imagem, do lado nascente dá para ver o caminho que desce do Curral da Malhadoura, passa na ponte da Cascata do Arado e segue em direcção ao sol para a Pedra Bela, percurso que os participantes do VCPGE vão fazer na segunda etapa, que liga Fafe a Rio Caldo no dia 5 de Agosto de 2017. Antes de chegarem ao Gerês, já tiveram que superar as Serras de Fafe e da Cabreira.  

 

 

Poço Azul (Rio Conho)– Serra do Gerês

Este é um dos locais míticos da Serra do Gerês. Chegar ao Poço Azul é uma maravilhosa sensação de paz e silencio, só com o som da água a correr naquela límpida lagoa de cor azul, transparente e profunda.   Apesar de actualmente o Poço Azul já estar muito divulgado na Internet, ainda não está massificado e continua a ser uma pequena Pérola do Gerês.

O acesso não é fácil, tem que ser feito a pé e nem todos os que o procuram o encontram.

    Coordenadas GPS:
  • Latitude:  41°44’1.45″ N
  • Longitude:  8° 6’24.89″ W

 

A Cascata de Pitões das Júnias

As águas desta cascata são provenientes das águas do ribeiro de Pitões, abastecido pelas águas cristalinas que passam junto ao Mosteiro de Santa Maria das Júnias, que devido aos desníveis do terreno se desenvolve por vários patamares, sendo que o primeiro tem cerca de 30 metros de altura e desagua num lago delimitado por afloramentos graníticos. O acesso à cascata faz-se por um caminho pedonal em terreno irregular, que nos últimos anos ficou facilitado com a construção de um passadiço em madeira.

Pitões de Junias - Portugal

Esta cascata é uma das muitas cascatas da região do Barroso. Nas proximidades desta cascata existe um carvalho centenário, que ao longo dos séculos tem sido alvo de várias lendas locais, como a de um duende que aí vive. Origem: Wikipédia

Pitões das Júnias, Montalegre – Parque Nacional Peneda-Gerês

Pitões das Júnias (Santa Maria das Júnias) é uma aldeia situada a cerca de 1200 metros de altitude, no norte de Portugal, dentro do Parque Nacional Peneda-Gerês, na região de Barroso, Trás-os-Montes. Faz parte do Concelho de Montalegre, Distrito de Vila Real. Fica próximo a Chaves a leste e Braga a oeste. A distância até à cidade do Porto é de aproximadamente 140 km. Do Aeroporto de Pedras Rubras, a distância é de 133 km, percorridos em 2 horas e 10 minutos.

A sua origem confunde-se com a do Mosteiro de Santa Maria das Júnias, entre os séculos IX e XI. A localização no extremo norte de Portugal, o clima inóspito no Inverno e a consequente imigração contribuíram para que a aldeia conservasse a sua pequena população e o característico aspecto medieval. As construções em pedra e a beleza natural do lugar deram início nos anos 90, ao turismo ecológico na região. Turismo esse que cresce nos meses de Verão com a chegada dos seus descendentes, vindos principalmente do Brasil e da França.

Herdeira natural da velhíssima freguesia de São Vicente do Gerês, nas profundezas do rio Beredo, que recebe águas de vários ribeirinhos na montanha, Pitões é a povoação mais alta de Barroso, na cota dos 1100 metros. Este facto contribuiu em grande medida para a elevada qualidade do presunto e fumeiro desta localidade.

Pitões das Junias 8/2011

Sempre foi conhecida por ser terra de gente lutadora e mesmo guerreira: não resistiu à destruição do Castelo, nem do Mosteiro, nem da sua “república ancestral” (conjunto de normas comunitárias e democráticas dos seus habitantes) mas resistiu aos Menezes, condes da Ponte da Barca, a quem um rapaz de casa do Alferes foi raptar uma filha com a qual casou; e resistiu à pilhagem e assaltos sistemáticos que os Castelhanos organizavam durante a guerra da Restauração. Em 1665, “um grande troço de infantaria e cavalaria, sob comando de D. Hieronymo de Quiñones atacou Pitões mas não só não conseguiram queimar o povo como este lutou bravamente pondo em fuga o inimigo e sem perdas”. Alguns dias após (com os pitonenses a ajudar, em represália) o capitão de couraças João Piçarro, com 800 infantes, atacaram Baltar, Niño d’Águia, Godin, Trijedo e Grabelos “donde trouxeram 400 bois, 1500 ovelhas e 20 cavalos”. E resistiu ao florestamento da Mourela, com pinheiros, o que levaria à perda das suas vezeiras. Resistiram sempre e ainda bem resistem!

Nesta aldeia pode visitar a corte do boi do povo, agora construída como pólo do eco-museu.

    Coordenadas GPS:
  • Latitude:  41°50’33.10″ N
  • Longitude:     7°57’3.79″ W

Artigo relacionado: Cascata de Pitões das Júnias

 

Santuário Senhora da Peneda

O Santuário de Nossa Senhora da Peneda está localizado na freguesia de Gavieira, Arcos de Valdevez, Portugal, construído entre os finais do séc. XVIII e o terceiro quartel do séc. XIX. A igreja foi terminada em 1875.

Santuario da Peneda

Frente à igreja encontra-se o escadório das virtudes, com estátuas representando a Fé, Esperança, Caridade e Glória, datado de 1854, obra do mestre Francisco Luís Barreiros.

Após um largo triangular onde se situam os antigos dormitórios para os peregrinos (hoje transformados num hotel), o santuário desenvolve-se numa alameda arborizada em escadaria, com cerca de 300 metros e 20 capelas, com cenas da vida de Cristo (Natividade e Paixão). Uma das capelas ostenta uma inscrição que atesta ter ela sido oferecida pelo negus da Etiópia. Ao fundo da alameda, numa praça circular, situa-se um pilar oferecido pela rainha D. Maria I.

Na primeira semana de Setembro realiza-se no santuário um grande arraial popular.

Fonte: Wikipédia

    Coordenadas GPS:

  • Latitude:  41°58’25.17″ N
  • Longitude:   8°13’24.10″ W